terça-feira, 17 de outubro de 2017

Certificados Recebidos 2017 - 010 (N.º 610 - Ano IV)


Certificado recebido pela classificação em PRIMEIRO LUGAR no Prêmio Miau de Literatura – Ano I – 2017, São Vicente (SP), com o livro de micro contos ALOPATIA EM DOSES HOMEOPÁTICAS, em 15/10/17.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Trajetória Literária 2017 - 025 (N.º 609 - Ano IV)



Fotos: Francisco Ferreira.

Desalento



No teu leito de esgoto

fluxo fétido e constante, é raro alterar-se

em tuas margens, fluxos outros

correm céleres, desaceleram... até parar.

Buzinas marginais

rascam imundícies íntimas

acordando fantasmas de peixes

assustando ratos.



Desce lento, rio morto

rio esgoto e sem portos

trilha sertão-via-mar.

Em afluentes te purificas

oxigenando-te o vagar.

Vargens, pontes, vagalumes

até as vagas do mar.



Vai-te embora Doce, Manso

Velho Chico, Paraopeba...

Vai-te embora te lavar.


Participação no II SARAU DO MATO A DENTRO, com o poema DESALENTO, em 14/10/17.

domingo, 15 de outubro de 2017

Textos Classificados 2017 - 021 a 061, Textos Publicados 2017 - 060 a 099 e Livros Publicados 2017 - 004 (N.º 608 - Ano IV)




Recebimento de 01 (um) exemplar do livro ALOPATIA EM DOSES HOMEOPÁTICAS – Costelas Felinas Editora – Edição I/2017 – São Vicente (SP), classificado em 1º Lugar no PRÊMIO MIAU DE LITERATURA I – 2017.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Textos Publicados 2017 - 059 (N.º 607 - Ano IV)

Desenho gentilmente cedido pela multi-artista Clevane Pessoa.


A César o que é de César



Há mais de 40 anos atrás, eu ainda morava na fazenda e vínhamos à cidade por ocasião das festas, campanhas de vacinação ou alguma doença que não se tratasse com chás, simpatias e as mezinhas costumeiras, quando numa destas vindas, da janela da casa dos meus avós em que debruçava-me para apreciar a cidade, vi três rapazes, hoje doutos senhores e tidos e havidos como cidadãos de bem, homens de peso e medidas; que, havendo capturado um gambá, despejaram gasolina no animal e atearam fogo. Eu chorei, me revoltei e, mesmo depois de 4 décadas, não tolero os tais “homens de três alturas”, mas que na juventude foram tão cruéis com aquele bichinho. Esta imagem me traumatiza até hoje.

Há alguns anos vendo o filme Patriota (do roteirista Robert Rodat, dirigido por Roland Emmerich e estrelado por Mel Gibson), numa das sequencias o regimento comandado pelo capitão Willian Tavington (Jason Isaacs) ateia fogo a um templo cheio de idosos, mulheres e crianças. O filme é bom, apesar de violento, mas essas cenas me chocaram e não consigo me recordar do filme sem que elas não sejam as primeiras que venham à mente.

No livro História Universal da Destruição de Livros o autor Fernando Baéz diz que “ao destruir com fogo, o homem brinca de ser deus, dono do fogo da vida de morte.” E que “se se queima um homem, ele é reduzido aos seus quatro elementos principais (carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio)”. Nesta semana um homem desequilibrado, com sofrimento mental, adentrou a creche Gente Inocente, na pequena cidade de Janaúba no norte de Minas Gerais e ateou fogo ao seu próprio corpo, em funcionários e alunos, causando comoção nacional. Não estou aqui para julgar e nem condenar a ninguém, não tenho este direito, mas não posso calar-me diante desta tragédia. Ora, se o sujeito tinha problemas mentais (quem não os tem, em graus diferentes?) ele não poderia estar apto a continuar desempenhando suas funções, sobretudo no convívio com crianças indefesas. Onde estava o aparato do Estado em proteger este ser de si mesmo e garantir que ele não fizesse mal a si próprio e nem aos outros? Um dos grandes responsáveis por isto é sistema previdenciário e seus processos lentos e irresponsáveis em marcar perícias e pagar pontualmente os benefícios; o que leva muitas pessoas a continuarem a trabalhar mesmo sem ter as mínimas condições físicas e principalmente psicológicas.

Lembro-me de uma colega de trabalho que ao receber seus salários e os mesmos não serem suficientes para quitar o total de seus débitos no supermercado, rasgou todo o dinheiro e que noutra ocasião ameaçou de ferver um litro de leite e atirar no rosto da atendente do caixa de outro supermercado, alegando que ela havia lhe vendido leite estragado. E, mesmo fazendo uso dos famosos tarjas pretas não conseguiu afastamento do trabalho, vindo aposentar-se por idade. Ela também convivia diariamente com crianças e só, por muita sorte, não cometeu barbaridades. Conforme disse anteriormente, não me compete julgar este ou aquele, mas que alguém precisa responder criminalmente por estes fatos, disto ninguém duvida.

Uma excelente semana para todos e repleto de boas notícias apenas.

Publicação semanal em minha coluna FIEL DA BALANÇA no blog OCEAANO NOTURNO DE LETRAS – Rio de Janeiro (RJ), em 9/10/17.