segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Poemas Publicados 2016 (Número 312 - Ano III)


Foto do autor.

Amargo Rio Doce

Rio acima desovo-me
fluido fujo da foz
evitando aMAR.
Águas mortas
em linhas tortas
sólidos liquefazem no ar.
(Partículas em suspeição).


Rio suspeito
em meu leito
de sublevação.
Peixe fátuo, fresco, frito
água furtada, fonte aflita
torrente de monção.
(Água turva insurreta).


Pousa em graça
pouso de garça
bicos longilíneos, des-caminhar.
Correnteza, cabeceira
leito seco, peito seco, corre seco
a caminho do aMAR.
(Movem-me moinhos, aguarrás).

Publicado no portal AUTORES.COM, conforme link a seguir:

http://www.autores.com.br/publicacoes-artigos2/4-literatura/poesias/72877-amargo-rio-doce-2.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário