quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Meus Poemas Preferidos X


Fonte: rj.olx.com.br

Dilema
Como escrever poesia
ante as obrigações do dia-a-dia,
que nos vergastam com seus açoites
e se há também as obrigações das noites?

Como escrever poesia
se há que se ganhar o pão de cada dia,
com o essencial suor de cada rosto
e se há os gases, as dores e o desgosto?

Como escrever poesia
se se tem o trabalho que abençoa o dia,
os desejos de hoje, sempre e de outrora
e a dinâmica do passar das horas?

Como escrever poesia
se o cantar do galo anuncia o dia,
o despertador intermitente no horário
e a eterna defasagem do salário?

Como escrever poesia
se, a cada dia, é menos um dia,
se me aperta o sapato que calço
e a morte a espreita, no encalço?

Como escrever poesia
havendo a nostalgia do transcorrer dos dias,
mas se, somente ela me alivia,
como não escrever poesia?

2 comentários:

  1. Como não comenta; se cada frase revela um pouco do que és, do que sentes, como não deleitar-me com tão lindo poema.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Neli. Seu carinho e presença constantes, me incentivam a prosseguir.

    ResponderExcluir