quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Poema Classificado XVI




Banquete

Não me leves a banquetes.
Não me chames, não me tomes, não me comas
insípido e indigesto que sou.

Não me convides a orgias.
Não me chames, não me tomes, não me comas
que, de tão celibatário, sou impotente.

Não me tragas a bebedeiras.
Não me chames, não me tomes, não me comas
que sou covarde. Não sóbrio.

Só em noites de lua
famintas e impudicas
chama-me-toma-me-come.

Pronto, assado, no ponto estou. Nu e cru.

Classificado para a Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos - Volume 117 - Câmara Brasileira dos Jovens Escritores (CBJE) - Rio de Janeiro (RJ) - agosto 2014.

4 comentários:

  1. Obrigado pelo carinho constante de suas visitas e comentários, Zélia Nascimento. É isto que nos faz querer continuar. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Só vale a pena escrever um poema e publicá-lo, quando, de certa forma, conseguimos atingir a sensibilidade de alguém. Este é o maior prêmio para um poeta menor. Bjs.

      Excluir