sexta-feira, 22 de maio de 2015

Poemas Classificados XXXV


Fonte: pt.forwallpaper.com

Restituição

De leis imutáveis que se compõe a vida
em que a dor e o tormento geram mais tormento e
é para o mar que a água faz sua investida,
cesteiro que tece um cesto tece um cento.

Embora, no lodo, o lírio venha à vida,
não brotará em nenhum momento
numa alma inumana, cruel e ressequida.
Cesteiro que tece um cesto tece um cento.

Sequer viverá em paz ou terá guarida,
quem concebe o caos e gera o sofrimento.
A restituição em sua justa medida:
cesteiro que tece um cesto tece um cento.

Jamais se receberá soma indevida
das mãos de Deus no divinal julgamento,
não se há de querer a paga imerecida.
Cesteiro que tece um cesto tece um cento.

Esta é a suprema lei que norteia a vida:
a cada um conforme seu merecimento.
Verdade divina, jamais corrompida.

Cesteiro que tece um cesto tece um cento.

Classificado para a antologia "Livro de Ouro da Poesia Contemporânea - Edição Especial - 2015 - Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE)" - maio/2015

2 comentários:

  1. Certamente, seremos recompensados na medida que merecermos, contudo busquemos ser sempre melhores aos olhos do Criador, mais uma vez, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Neli, independente da crença, sermos bons e humildes de coração é a condição para sermos dignos de nos denominarmos humanos. Bjs.

      Excluir