sábado, 24 de outubro de 2015

Revista Escritor - 255 (outubro/15)


Fonte: www.youtube.com

Estação das Chuvas

Está chovendo de desbotar urubus,
as águas escarnecem de lodos, os dias
e os rios, atolados até o pescoço,
nos desvãos dos barrancos.
Garças colhem peixes nos altos
galhos das ingazeiras flutuantes.
Sabiás cantam litanias às avessas
pedindo sol e aragem na ferrugem
branca das serras de além de...
Na casca da lua germinam estrelas
para derramarem-se vagalumes
sobre o assoalho das nuvens e ventos.
Crescem musgos nos verdes dos periquitos
e de algas, poluem as barbas dos montes.
Das pedras resfolegam lama
em seus ternos de líquens.
Narcisos bebem das prateleiras
dos córregos navegados de folhas.
Deságuo em mim!

Publicada na revista ESCRITORES -255 (ano XXI - outubro/15)
do Clube de Escritores de Piracicaba (SP)

2 comentários:

  1. Lindo poema, parece a realidade Catarinense, hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Neli. Retrata sim a triste realidade de vocês, ao mesmo tempo que é uma ode que dedico à chuva benfazeja e geradora de vidas que teima em nos deixar órfãos de sua presença aqui nas Gerais. Abraços,

      Excluir