quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Poemas de 2016 - IV


Fonte: grupoelron.org

Na Sala de Estar da Mente

A chuva arremessa o frio
pelas frestas de minh'alma entreaberta.

Na poltrona, a ilusão, de lareira e lupa,
atiçando o fogo fátuo
com dedos torpes e míopes.
Se não diviso sua cara, a sinto.

Da cadeira de rodas, acena-me o tempo
mãos macérrimas desfolham-me
biografia e lembranças
e as atira ao limbo e cinzas.
Reescrevendo-me em letras coaguladas.

Não importa se quem pede clemência é o coração,
a razão, sob os óculos, acusa
seus braços rijos me alcançam.
Julga, condena a não-ser.

Lá fora, a chuva cai...

Nenhum comentário:

Postar um comentário