terça-feira, 22 de março de 2016

Poemas Classificados - 2016 - VII


Foto do autor.

Desilusão de Ótica

Mirando-me num retrato de outrora,
eu cri-me alçado em voo, sem ser alado;
atrelando-me à ilusão do passado
esquecido dos espelhos de agora.

E inebriado assim fui mundo afora
em fantasias, sentia-me remoçado
neste falso delírio acorrentado
que, tão facilmente, a vida devora.

E, em lhe devorando o tempo, cai a venda,
que confunde e mascara a realidade.
Para que o iludido espírito aprenda

sinto no corpo a terrível verdade:
que a ninguém, no decurso desta senda,
é permitido esquivar-se da idade.

Classificado para compor a I ANTOLGIA DE POETAS LUSÓFONOS CONTEMPORÂNEOS "PERDIDAMENTE" do GRUPO MÚLTIPLAS HISTÓRIAS de Lisboa (POR).

2 comentários:

  1. Lindo poema, já havia lido, mas releio outras tantas vezes. Parabens.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.