domingo, 6 de março de 2016

Revista Samizdat (março/2012)


(Conceição do Mato Dentro)

Cosmopolita

Fui deitar-me e havia varandas,
alpendre e trinca-ferros trilando;
havia jardins? Havia...
e flores, à namorada, roubadas.
Havia frutas nos quintais? Havia...
pomares invadidos e risos
de crianças desembestadas, de bocas sujas, a correr
havia estripulias...

Acordei num turbilhão de gentes correndo,
sempre correndo, sem rumos
como quem vai a algum lugar e alhures! Apressados...
A cidade, velha dama provinciana, adoecida
inchando a olhos nus
malta de pedreiros, engenheiros, serventes e pedintes
e de hieróglifos indecifráveis nas fachadas,
ensaios de uma língua natimorta!
Muros, cercas e alarmes trancam sorrisos,
bom- dias e “olha o leite”
encarcerando em prisão-perpétua
padeiros, verdureiro, leiteiro
extintos, na mesma condenação
de outras dignas profissões abandonadas.

Não compreendo estas janelas
de comportamento inadequado:
sempre fechadas, na escassez de sorrisos...

O link para esta publicação é:

http://www.revistasamizdat.com//2012/03/cosmopolita.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário