domingo, 18 de janeiro de 2015

Poema Classificado XXVI


fonte: melkmesquita.blogspot.com

Luciferianas

Tuas asas foi que perdi e o amor
quando de adeuses, te fizeste estação
do longe, longe, longes!

Tão doído desaprender a voar
em tuas mãos vazias
de mim e de sonhos.

Num passo bêbado

caí degraus, rolei no ar.

Classificado para a antologia "Amor em Sol Maior - Poesias - Edição Especial 2015" - Câmara Brasileira dos Jovens Escritores (CBJE) - Rio de Janeiro (RJ) - janeiro/2015

Um comentário:

  1. " Ah, os adeus, sempre fazem criar feridas, umas curam outras, profundas cicatrizes.
    Lindo, me levou a pensar !

    ResponderExcluir