sexta-feira, 26 de maio de 2017

Poemas Publicados 2017 - 018 (N.º 475 - Ano III)

 Flor Silvestre. Foto: Francisco Ferreira.


Gaiolas

Ouço ecoar minha tristeza
na preciosidade repetitiva
e triste voz do sabiá.

Meu luto se reflete
nas pretas vestes de gala
do acrobático tiziu.

E a suindara agourenta
estrala de vingança minha gargalhada
louca como eu, noite à dentro.

Se bem me lembro é sempre assim
que sou e fui, hibrido de ave e vegetal
coração de pássaro com raiz.

E, uma vez que numa noite
de junho gelado caí feito papa-arroz
no alçapão da vida
em cada queda, tentei voar.

Poema publicado na Revista ESCRITORES – N.º 270 – Ano XXIII – do CLUBE DE ESCRITORES DE PIRACICABA – Piracicaba (SP) – pag.22 em 24/5/17.

Nenhum comentário:

Postar um comentário