sábado, 20 de maio de 2017

Texto Publicado 2017 - 25 (N.º 470 - Ano III)



POESIA PAU BRASIL

A boa poesia é aquela que não dá nó na língua. Que entra nos saraus eruditos pelas portas do fundo. Que é rabiscada nos muros cinzas e sem vida da Pauliceia domada. Da Sampa violentada pelas mãos douradas de um escroque servil. A boa poesia é pichada e fichada na polícia. É da resistência. É ritimada no batuque das mãos e recitada nos becos.
A boa poesia é aquela que dá o nó na garganta. Que rasga a caatinga no aboio. Desafia e é desafiada nos duetos de repentes. É cantada, contada e recontada nas praças. Tem cheiro de estrume e suor. Tem gosto de cachaça. Exala o perfume da negra nua sob a lua. Está na lágrima e no riso. É xilografada e tatuada na alma sertaneja.
A boa poesia é aquela que se liberta no ponto do caboclo. Que exalta os orixás. Que é acompanhada do berimbau. Bate cabeça no congá. Roda no samba, na capoeira e na gira. Que é cantarolada no compasso das caixinhas de fósforos. Batucada nos botecos. A poesia é brasileira, por excelência, sim senhor!
A boa poesia não dá ponto sem vírgula e nem nó sem laçada. É bateiada, lavada e apurada nas lavras das Gerais. Atravessa os pampas de bota e bombacha. Corre nas vaquejadas de gibão e chapéu de couro. É irmã do coco, xaxado, baião. Frevo, maracatu, xote e forró. Do lundu e do maxixe. Está no frango com quiabo e angu, no chimarrão, no tereré. No pãozim de queijo e no ora pro nóbis.
A boa poesia está na jabuticaba e na pitanga. No poetrix, no ecosys, na aldravia, poema correio, poema processo, poema concreto, tropicalismo e marginália. Na charqueada e cavalhadas. Na folia de reis e no carnaval. A boa poesia não obedece fronteiras, não reconhece convenções, não é blazé. A boa poesia não está na erudição e no rebuscar infatigável nos baús da Flor do Lácio. Tem Sertão e Veredas. Riobaldo e Diadorim. É Tonico e Tinoco, Pena Branca e Xavantinho, Tião Carreiro.
A boa poesia é nobre como o Pau Brasil. É bela como a arara azul, arredia como o mico leão dourada e melodiosa como o uirapuru. É forte como o caboclo brasileiro. É resiliente como o negro brasileiro. É madeira de lei. É Catulo e catira. É Paixão e Patativa. É cerarense e do Assaré. Corre nas veias de Ariano, Oswald, Mário, Drummond, Manoel de Barros e Bandeira. É Cabral, é Caruso, Ãngela, Vallias, Pádua, Elias, Barreto, Dilercy, Soares da Silva, Petrônio Gilberto, Janaína, JC Lacerda, Sr. Liberato, Leando, Leomária, Rodrigo, Tamirys, Vanda e Aurineide.
A boa poesia é sincretismo, é improviso, é Brasil. Poesia Pau Brasil.

Prefácio do e-book POESIA PAU BRASIL do grupo POESIA PAU BRASIL - organização: ANTÔNIO CABRAL FILHO.

https://pt.calameo.com/read/00189307379b8fe4f458c

Nenhum comentário:

Postar um comentário