quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Revista Elis I Edição (18/3/2012)


Fonte: deignis.deviantart.com

Pietá do Morro

O rosto imberbe do filho
sobre o seio murcho
sugados leite e sangue
pelas agruras do tempo
num tempo de agruras.
As feridas sangram as almas
alma que se esvai
com a vida adolescente
alma de mãe - ressequida alma -
que embrutece
e penetra-lhe mais e mais
o corpo alquebrado.

Dor maior de mãe
mãe de um "de menor" ...

Poema publicado na Primeira Edição da Revista Elis, sob o pseudônimo de Ariadne, a Louca (conforme exigência dos editores da Revista).

Link para a Revista: http://revistaelis.blogspot.com.br/2012/03/primeira-edicao.html 

3 comentários:

  1. A dor de uma mãe, seja em que situação seja, é sempre a mais doida. Filho é um pedaço de nós, que saipor inteiro de nosso ventre. Lindo seu poema.

    ResponderExcluir
  2. "...Ser mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é expor-se a todo tipo de dor, principalmente o da incerteza de agir corretamente..." Feito rocha o amor de mãe não se corrompe e resiste a tudo que existe. Lindo poema.

    ResponderExcluir
  3. Agradeço emocionado as palavras de incentivo e os gentis comentários Neli Ascari e Vera Buosi. Abraços.

    ResponderExcluir