sábado, 12 de agosto de 2017

Resenhas 2017 - 06 (N.º 550 - Ano 04)




Resenha – O Cão do Diabo (Devil Dog: The Hound Hell, em inglês)

Gênero: Terror / Suspense

Lançamento: 1978

Duração: 1h32’

Nacionalidade: EUA

Direção: Curtis Harrington

Roteiro: Dos irmãos Elinor e Steven Karpf

Elenco: Bob Navarro, Daniel Selby, Ike Eisemam (A Montanha Enfeitiçada), Ken Kerchewal, Kin Richards (A Montanha Enfeitiçada), Lou Frizzell, Martine Beswick, R. G. Armstrong, Richard Crenna (Rambo I, II e III – falecido em 2003), Victor Jory e Yvette Mimieux.

Obs: produção exclusiva para televisão.

Este clássico do terror do final dos anos 70, início da década de 80, conta a história de um cão cuja mãe, quando estava grávida, é usada por uma seita satanista e os seus filhotes são doados à famílias para que satã possa agir no meio delas. A família que recebe o filhote de que trata o filme, é a clássica família americana: os pais (Mike e Betty Berry), um casal de filhos (Bonnie e Charlie), a empregada mexicana e muito católica (Maria) – que pressente o mal contido naquele animalzinho desde que o vê pela primeira vez e será uma das primeiras vítimas –, que mora em uma bela casa de Los Angeles, Califórnia. No dia do aniversário de 10 anos de Bonnie, o cachorro da família, Spikker é atropelado e “coincidentemente” aparece um vendedor de frutas, que além de lhes dar maçãs (lembram da bruxa de Branca de Neve?) lhes oferece o filhote, dizendo que está à procura de uma família que o adote.  No decorrer do enredo o cãozinho Lucky, agora já um pastor alemão adulto, influencia todos da casa menos Mike, que não é possuído e confronta o cão em muitas ocasiões, sem sucesso, até o combate definitivo.

Lembro-me de quando o vi pela primeira vez, tinha 12 anos e naquela noite fui parar no quarto dos meus pais de tão aterrorizado que fiquei. O filme tem um roteiro bem elaborado, que vai desenvolvendo a tensão, à medida que, sob o efeito da possessão demoníaca, as crianças da família vão praticando atrocidades.  Peca, sobretudo hoje quando os cineastas têm uma infinidade de recursos eletrônicos, pelos paupérrimos efeitos especiais do final do filme, mas nem por isto deixa de ser um bom filme. Terror psicológico, sem os famosos corpos mutilados e banho de sangue. Trata-se mais da luta entre o bem e o mal e a desagregação da “família perfeita” sob a influência diabólica. A ninhada era de cinco ou seis cãezinhos – não me lembro – e me pergunto até hoje: o que aconteceu com os demais?

Não consegui encontrar críticas profissionais a respeito do filme, talvez pela sua idade, quase 40 anos, mas de um modo geral, as impressões dos cinéfilos são positivas. Vale muito a pena assistir pelo clima aterrorizante que a ação demoníaca no animal proporciona, lembrando, em muitos casos o filme A PROFECIA (produção anglo-americana de 1976, lançado em 21/2/1977, com duração de 1h51’, dirigido por Richard Donner, com Gregory Peck, Lee Remick, David Warner). O mais assustador é que a trama se dá em uma casa, com uma família feliz, belas crianças e um cão: quem não tem pelo menos um destes itens?

Uma semana excelente e livre do mal, a todos.


Resenha da semana no blog DARK BOOKS (Pelotas – RS) para o filme O CÃO DO DIABO, em 1º?8/17.


Nenhum comentário:

Postar um comentário