segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Poema Classificado 2017 - 02 (N.º 402 - Ano III)


Mariposa. Foto: Francisco Ferreira.

Seleta de Trovas



Não entendo esta premissa

que vejo em alguns cristãos,

no afã de fazer justiça

querer matar os irmãos.



***



Ao ver um filho faminto

decerto dirá Jesus:

mesmo no céu inda sinto

nos ombros pesar-me a cruz.



***



Quando a morte nos alcança

numa hora inesperada,

devemos deixar de herança

bons exemplos e mais nada.



***



Por este mundo vagando

danado e de déu-em-déu,

meu medo, em assim estando:

perder os rumos do céu.



***



Saudade é trazer presente

aquilo que não é mais.

Reviver no inconsciente

o que não volta jamais.



Classificado para a antologia “NÓS E ELES – 200 ANOS DE POESIA – EDIÇÃO ESPECIAL 2017 – Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE) – Rio de Janeiro (RJ) em 28/1/17.

http://www.camarabrasileira.com.br/noseeles.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário