segunda-feira, 3 de julho de 2017

Poemas Publicados 2017 - 032,033 e 034 (N.º 510 - Ano IV)

Trabalhinho da turma de 1º ano (professora Betânia) da EE Daniel de Carvalho. Foto: Francisco Ferreira.


Décimas de Cordel

I


Acordo ainda com medo
De arrepiados cabelos,
Cativo de pesadelos,
Mas mantenho-os em segredo.
Na estrada me ponho cedo,
Pés ligeiros, vou calado
Em meu viver desgarrado.
E para obter livramento
Pus no mar do esquecimento
As coisas do meu passado.


II


Tinha nos tempos de antanho
Liberdade vigiada,
Toda imprensa amordaçada
E pensamento tacanho;
Foi dum sofrer sem tamanho.
Ver povo manietado,
De coração embargado
Com choro, dor e lamento,
Pus no mar do esquecimento
As coisas do meu passado.


III


Crepita a lenha sequinha
O café já fumegando.
No tacho a banha chiando,
Ovo frito com farinha,
Salsa, coentro e cebolinha,
Carne, batata e feijão.
As ferramentas à mão,
Roceiro, a Deus, agradece.
É assim quando amanhece
Nas quebradas do sertão.

Publicado na Revista eisFluências – n.º 47 – Ano VII – Editora Fênix – Organização: CARMO VASCONCELOS – pag: 21, em 26/6/17. 

http://www.carmovasconcelos-fenix.org/revista/eisFluencias/47-Jun17/eisFluencias_Jun_2017_7_47-21.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário