sexta-feira, 21 de julho de 2017

Poemas Publicados 2017 - 039 (N.º 528 - Ano IV)



Ipê Rosa. Foto: Marcilene Cardoso.


Mau Olhado



Dedos de nuvens

cegaram-me a super lua

e os sessenta e oito anos de espera

sem nenhum anel

ou compromissos, além da solidão

no leito mútuo.

A chuva saliva no telhado

despertando o banzo

no atabaque das goteiras.

A velha rã ancestral

salta, de quando em vez,

no engaiolado do peito.

O curiango além

sustenta minhas promessas

de tomar-te novamente

numa cama ao por do sol:

−Amanhã eu vou!

Repete sua máxima infinita

mas, os três sabemos

quão mentirosas são

as aves de agouro

e as cantorias de malmequer

a escurecer os céus

de nossas tramas.



Publicação na plataforma MEUS POEMAS – COLETIVO DE ESCRITORES – da Editora Beco dos Poetas - São Paulo (SP), poema: MAU OLHADO, em 11/7/17.






Nenhum comentário:

Postar um comentário