sábado, 5 de julho de 2014

Poema Classificado IX



Despertar na Cidade

A noite, avançada em horas, sorri
sorrisos de dentes ausentes, prostituta
sem clientes a seduzir mendigos.
Abriga em seu colo de negrumes
os bichos e as almas rotas.
Um galo desavisado rouba o sono dos trabalhadores
em uníssono com cachorros vadios.
O centro da cidade madruga de cara inchada e ressaca,
duvidosas damas osculam
uns últimos vinténs, enfastiadas.
Bêbados boêmios brindam
derradeiros copos cansados.
O comércio cerra as portas noturnas
e em paz, pare o dia.
Os motores bafejam fumaça quente
sobre os últimos ventos frios,
sonolentos dedos abraçam volantes, entrelaçam-se
em suportes de trem, ônibus e metrô
anelados de dormência e preguiça.
O mercado ensaia a ópera, da muita oferta
e da pouca procura, enquanto o sol espreguiça
em múltiplos braços de deus indiano.


2º Lugar no XXXVIII Concurso Literário das Edições AG (São Paulo -SP) em abril de 2013.

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Você Zélia, sempre persente e me trazendo seu carinho, obrigado. Beijos.

      Excluir
  2. amo seus poemas,poesias,contos,enfim..tudo!!! parabens!!

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Márcia Valéria, seja muito bem vinda e fique sempre à vontade, a casa é sua. Bjs.

    ResponderExcluir