sexta-feira, 11 de julho de 2014

Meus Poemas Preferidos III





Rito de Passagem

Na entrada da fazenda
uma porteira gemedeira
Justamente lá
a minha mãe enterrou
um coto de umbigo
e saudades intra-uterinas
­­– meus restos natais! –

– É prá ficar rico. (Ela disse).

Dinheiro?  Ganhei não,
só assombros.
Vozes espectrais
que sussurram: “Volta.”
Toda vez que geme,
em meus ouvidos distantes,
o lamento daquela velha cancela.



6 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado, Flores, pelo carinho do acesso, leitura e comentário. Bjs.

      Excluir
  2. Muito autêntico, velho hábito das velhas mães, lindo !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neli Ascari, eram tempos bons, quase perfeitos, onde a fé e inocência norteavam a vida familiar. Obrigado. Bjs.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.