sexta-feira, 18 de julho de 2014

Poema Classificado XII



Quebranto

Seus olhos
os olhos meus...
Renderam-se em alumbramentos
num átimo, corrente de vento,
com sabor de azul piscina
e o cheiro de pores-do-sol.

Mas veio o ciúme
o quebranto
mau-olhado nos olhos meus
e o azul brando do vento
virou vermelho descontentamento
em meus olhos
nos olhos seus...

E o gosto insalubre do pranto
rolando num pós encanto
num fastio-inanição
cobriu de breu, no meu peito,
os meus olhos
os olhos seus...

...e os olhos do meu coração!



Classificado para a Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos - volume 116 – Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE) – Rio de janeiro (RJ) – em 18/7/14

4 comentários: