sexta-feira, 4 de julho de 2014

Poema Classificado VIII



Bocejos Oficiais

Diante do poeta
O governo boceja
Aniquila sua obra
Na indiferença oficial.
O boi rumina
A poesia do sal
Que, na seca,
Engorda os bolsos
Insalubres do capitalista.
Oportunista, o sistema
Condena artistas
Aos obstáculos do beija-mãos
Encerrando em cárceres privados
De arquivos mortos
A arte abortada dos becos,
Esquartejadas no muro
Com ficha na polícia.
Um poeta que se cala à força
É porta aberta
À perpetuação do peso,
Do grilhão
E do medo!


Destaque Literário Nacional - XIX Concurso Internacional de Poesias, Contos e Crônicas da Associação Literária e Multiprofissional “A Palavra do Século XXI” (ALPAS XXI) – Cruz Alta(RS) – maio/2013

2 comentários: