terça-feira, 1 de julho de 2014

Poema Classificado VI







Suicida

Tocar a mão do vento
e na reverência ao abismo
contemplar a sólida superfície do nada.

Rebrilhar nos olhos fechados
a insondável solidão
do gozar a dor de cada dia.

Flutuar o interior da pedra
navegando o magma essencial.
na rota da erraticidade, abandonar-se.

Empalar o coração em tributo
à liberdade total e absoluta
de dizer sim à vida que sobeja
em dor.

Classificado para a Antologia dos Poetas Brasileiros Contemporâneos  - Volume 115 - Agosto 2014 e publicado na Antologia On Line da Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE) - em junho de 2014.

http://camarabrasileira.com/apol115-019.htm
  

4 comentários: